O que são fundos imobiliários e por que investir neles?

Fundos imobiliários

O investimento em imóveis é uma das principais buscas por quem deseja fazer aplicações promissoras, ter lucratividade e elevar o patrimônio. Para isso, os fundos imobiliários são ideais, pois é possível atingir esse objetivo, sem ter que comprar um imóvel.

Trata-se de uma modalidade de investimento que está ganhando notoriedade no mercado brasileiro e um investimento que pode ser vantajoso – principalmente por possibilitar ter rendimentos com imóveis, sem ter que investir valores elevados inicialmente.

Mas afinal, você sabe o que são os fundos imobiliários? Se deseja ter uma carteira de investimentos diversificada e aumentar as suas possibilidades de sucesso, vamos ajudar!

Confira neste post o que é, como funciona e quais os tipos de fundos imobiliários, e veja informações relevantes para tomar suas decisões!

O que são os fundos imobiliários?

O FII — Fundo de Investimento Imobiliário é uma modalidade de investimentos que levanta recursos para aplicação em imóveis. É uma modalidade considerada de longo prazo, ou seja, com rendimentos que podem ser obtidos a partir dos 5 anos.

Sendo assim, os fundos imobiliários contam com a participação de diversos investidores e as parcelas do valor do patrimônio são divididas em cotas. É uma modalidade que descomplica o investimento em imóveis, por isso, é comum no mercado financeiro.

Como os fundos imobiliários funcionam?

Os fundos imobiliários funcionam de forma simples e todos os recursos reunidos nas rodadas de investimentos são utilizados para construção ou aquisição de imóveis.  Assim, os rendimentos obtidos com a locação ou arrendamento são divididos entre os investidores, de acordo com a participação.

Dessa forma, os fundos imobiliários são negociados na bolsa de valores e tanto pessoas físicas quanto jurídicas podem adquirir uma ou mais cotas. Portanto, todo o valor é administrado por um gestor, que encontra boas condições de mercado e realiza a aplicação.

Nesse sentido, é essencial entender a dinâmica do mercado financeiro e os termos relacionados aos investimentos de fundos imobiliários. Assim, tomará decisões bem embasadas e desenvolverá um planejamento que corresponda com os objetivos pessoais.

Quais os tipos de fundos imobiliários?

Os fundos de investimentos imobiliários existem em diferentes categorias, que classificam o investimento de acordo com as características e aplicabilidades. Sendo assim, o primeiro passo para encontrar oportunidades é saber detalhadamente como funciona cada tipo.

Pensando nisso, veja quais os principais tipos de fundos imobiliários!

Fundos de tijolo

Os fundos denominados “tijolo” são destinados a investimentos na construção, locação ou aquisição de empreendimentos físicos. Portanto, o objetivo desse tipo de fundo imobiliário é realizar aplicações relacionadas aos imóveis comerciais, por exemplo:

  • shoppings;
  • hospitais;
  • prédios comerciais;
  • galpões;
  • faculdades.

Fundos de papel

Por outro lado, os fundos de papel são destinados a investimentos em títulos financeiros relacionados ao mercado imobiliário – tais como o LCI, CRI, cotas de fundos imobiliários, títulos de recebíveis imobiliários e outros, em que o lucro é proveniente dos juros e dividendos pagos por cada título.

São investimentos de renda fixa e que oferecem boa possibilidade de ganhos, sem se expor aos riscos do fundo de tijolo. Ou seja, nesse modelo de fundo imobiliário o investidor adquire recebíveis pelos cotistas, ao invés de investir diretamente nos imóveis.

Fundos híbridos

Os fundos híbridos são modalidades que podem ter tanto investimentos em papéis imobiliários, como ações e títulos de renda fixa, quanto em aplicação direta em imóveis — ou seja, é uma aplicação que pode ser em conjunto com fundos de papel e fundos de tijolo.

Qual a rentabilidade dos fundos imobiliários?

A rentabilidade dos fundos imobiliários pode acontecer em duas situações, pela valorização das cotas ou pela distribuição dos lucros do fundo. Dessa forma, a decisão do investidor sobre qual o tipo de fundo que investirá tem total influência nos resultados.

Dessa maneira, a rentabilidade para cada forma é a seguinte:

  • valorização de cotas: o valor unitário de uma cota valoriza com o tempo, com isso, é possível lucrar com a venda delas em valor superior ao adquirido;
  • distribuição de lucros: o investimento tem rendimentos mensais, que são obtidos principalmente do aluguel do imóvel.

Os fundos de investimento imobiliário são obrigados por lei a disponibilizar os rendimentos aos cotistas no mínimo uma vez por semestre. Sendo que os lucros provenientes dos aluguéis são geralmente distribuídos aos cotistas mensalmente.

Quais as vantagens e riscos envolvidos?

Todo investimento tem suas vantagens e desvantagens. Por isso, o perfil de investidor e os objetivos devem ser considerados para tomar decisões. Considere também o estudo do mercado e de cada alternativa também é imprescindível para encontrar condições favoráveis à lucratividade.

Contudo, os fundos imobiliários podem oferecer as seguintes vantagens:

  • cotas com preços mais acessíveis;
  • gestor disponível para focar exclusivamente no fundo;
  • menos burocrático e mais econômico do que adquirir um imóvel;
  • possibilidade de investir em grandes empreendimentos;
  • possibilidade de receber dividendos periodicamente;
  • rendimentos isentos de Imposto de Renda.

No entanto, além de considerar as vantagens para compor o planejamento financeiro, é indispensável analisar todos os riscos relacionados aos fundos imobiliários. Nesse sentido, você precisa estudar os seguintes riscos:

  • inadimplência;
  • risco de liquidez;
  • riscos de mercado.

Como investir em fundos imobiliários?

É preciso definir um planejamento específico, sempre considerando o seu perfil, objetivos e a análise mercadológica. Assim, é possível ter mais clareza para contar com apoio especializado e acertar nas suas decisões.

De forma objetiva, os investimentos devem ocorrer da seguinte maneira:

  • procure uma corretora e faça uma conta;
  • verifique a corretagem cobrada;
  • estude a política de investimentos do fundo;
  • analise o histórico e distribuição de rendimentos;
  • avalie todos os riscos;
  • verifique a localização e dados dos imóveis;
  • avalie a tributação;
  • acompanhe o mercado e conte com apoio profissional.

Como você pode notar, os fundos imobiliários são oportunidades que devem ser estudadas e consideradas para fazer parte da carteira de investimentos. É uma boa possibilidade para planejar investimentos a longo prazo e multiplicar o seu patrimônio pessoal.

Gostou do post? Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais!

Veja também: 

Poupar ou investir? Qual o melhor?

Seguro de vida resgatável: Tranquilidade e segurança financeira

5 perguntas e respostas sobre investimento

 

Siga nossas redes sociais: Instagram | Facebook | Linkedin 

27 de agosto de 2021

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin